Um convite a cidade

Florianópolis por elas.me


Meu interesse pelos assuntos da cidade começaram em 2015, mas foi apenas em 2017 que resolvi ir além de estudar ela e comecei a viver, onde sai da máquina e fazia tudo que era possível caminhando, e foi aí que me apaixonei pela cidade. Como Jane Jacobs (2011) aborda, a cidade é um espaço vivo e mutante em constante transformação. E considero isso fantástico, pois toda vez que vivo a cidade ela está diferente, coisas novas acontecem, ao sair da máquina, ao sair de casa, ao ir para a rua eu vejo vida e de certa forma me torno vida cumprindo minha função de cidadã e me tornando parte integrante da cidade.  

Jan Gehl (2010), no seu livro Cidade para Pessoas diz que é necessário mais do que o espaço físico para as pessoas realizarem atividades no espaço urbano é necessário fazer um convite a elas.
Então, deixo aqui meu convite através dessas fotografias com um olhar de quem é apaixonada pela cidade, são registros da fauna, da flora da vida e de tudo de extraordinário que eu vi e vivi na cidade durante um breve percurso de aproximadamente 10 km de bicicleta ( onde realizo atividade física não foi escolhido um percurso especial, apenas onde tinha infraestrutura para andar de bicicleta).

 

As próximas galerias estão divididas por dias, fui fotografando o que me chamava atenção, embora tenha mais coisas que gostaria de fotografar mas não estão presentes pois não me senti segura para fotografar.

Dia 01

Praticamente todas as vezes que parei para fotografar os Jacarés do Rio Itacorubi, tinha alguma pessoa por perto também olhando, e quase sempre elas interagiam comigo(mesmo eu usando meu disfarce anti-social, com boné, máscara que cobria quase todo meu rosto, mochila e um fone de ouvido bem grande), comentando sobre outras vezes que viram o jacarés, ou sobre outros jacarés que talvez eu não tivesse visto para que pudesse fotografar, sobre mudanças na cor da água que elas notaram.

 Esse ocorrido me lembrou o que o Jan Gehl (2010), no seu livro Cidade para Pessoas relata que a função do espaço público é ser democrático, ele é um lugar onde pessoas diferentes se encontram e se conectam. E o fato do mesmo interesse em comum (os jacarés), já foi o suficiente para que essa conexão fosse gerada.

Dia 02

Acho tão lindo o Rio Itacorubi, ele corta as ruas e passa quase como despercebido abrigando uma fauna e flora incrivél, nem parece que está no meio do ambiente urbano, é quase como fazer um safari no meio da cidade, além disso o pôr do sol dele é um dos mais bonitos de Florianópolis, não só pelas cores, mas por estar no meio da cidade ele me faz parar e me lembra que preciso pausar quando me esqueço.

Dia 03

Esse contraste entre o urbano com o natural, de dois mundos tão distintos e tão perto, faz parecer como se fossem lugares mágicos dentro da ilha. 

Dia 04

Além de ver da cidade, teve um dia que resolvi ouvir um pouco dela também,  ao pedir permissão para registrar o Sr. Ivan, começamos a conversar sobre a cidade e foi tanta coisa que aprendi nesse dia.

Dia 05

Fotografia e cidade são duas de minhas paixões, e depois que comecei a registrar a cidade, sair sem minha máquina parece que me falta algo, então continuarei com esse convite registrando mais dias que vivo a cidade.